MORUMBI

A vergonha dos gramados da Copa América

A vergonha dos gramados da Copa América
É raríssimo ver Messi errar um chute como o que mandou na arquibancada da Arena do Grêmio, na partida contra o Catar.A bola chegava limpa, mas ao se aproximar de seu pé, um montinho traiçoeiro a fez saltar. Foi quase no aeroporto Salgado Filho. Depois do jogo, o melhor jogador do planeta bradou contra os…

É raríssimo ver Messi errar um chute como o que mandou na arquibancada da Arena do Grêmio, na partida contra o Catar.

A bola chegava limpa, mas ao se aproximar de seu pé, um montinho traiçoeiro a fez saltar. Foi quase no aeroporto Salgado Filho.

Depois do jogo, o melhor jogador do planeta bradou contra os gramados da Copa América: “Todos são ruins.”

A Argentina jogou na Fonte Nova, no Mineirão e na Arena do Grêmio. Dos três, o menos ruim parece ser o do Mineirão.

Messi tem toda a razão em sua reclamação Poderia pensar diferente apenas sobre dois campos: Itaquera e Morumbi.

Nesta ordem.

Em São Paulo, Tite elogiou o campo de Itaquera e foi questionado se poderia alertar a CBF sobre o estado péssimo dos gramados, que reflete no dia-a-dia dos times brasileiros. “Eu já falei”, respondeu. A primeira apresentação incontestável da seleção brasileira depois da Copa do Mundo teve como aliado o terreno da Arena Corinthians. Dois dias antes, no CT do São Paulo, Tite trabalhou finalizações. A base do treino, contou, foi o cuidado com o passe. Se a bola chegasse limpa, deixaria o atacante em boa condição de finalizar.

Os campos do CT da Barra Funda e do estádio de Itaquera são bons.

Os demais, péssimos.

A vergonha da Copa América já é inevitável.

As reclamações de Messi, Dudamel e Tite têm de servir para um amplo trabalho de reforma dos terrenos para o dia-a-dia do futebol brasileiro. Não existe jogo bom se a bola não rolar.

Fonte