BRASILEIRÃO

Após mais de 23 anos, São Paulo volta a ter goleiro reserva formado na base

Após mais de 23 anos, São Paulo volta a ter goleiro reserva formado na base
Após ser acusado de agredir sua mulher e ter seu contrato suspenso, o goleiro Jean foi emprestado ao Atlético-GO. Com isso o São Paulo volta a ter um reserva imediato que foi formado na base para a posição, algo que não acontecia há muito tempo, desde que Rogério Ceni era banco de Zetti. Agora, os…

Após ser acusado de agredir sua mulher e ter seu contrato suspenso, o goleiro Jean foi emprestado ao Atlético-GO. Com isso o São Paulo volta a ter um reserva imediato que foi formado na base para a posição, algo que não acontecia há muito tempo, desde que Rogério Ceni era banco de Zetti. Agora, os três arqueiros que poderiam substituir Tiago Volpi são oriundos de Cotia.

Júnior, Tiago Volpi, Lucas Perri e Thiago Couto: os goleiros do São Paulo em 2020 (Foto: Rubens Chiri/saopaulofc.net)

Foto: Lance!

TABELA

> Veja tabela e simulador do Paulistão clicando aqui

A última vez em que um arqueiro formado no clube foi reserva imediato do time principal aconteceu no fim de 1996, antes de Zetti deixar o Tricolor para ir jogar no Santos. Naquele momento, Rogério Ceni, que havia subido ao profissional alguns anos antes, era o suplente da posição. De lá para cá são mais de 23 anos de goleiros contratados para serem banco dos titulares.

Roger, Bosco, Denis, Renan Ribeiro, Sidão e Jean foram os reservas mais famosos do período. O último, que foi preso após ser acusado de ter agredido sua esposa, em Orlando, nos EUA, era o suplente imediato de Tiago Volpi, que agarrou a titularidade e não deu chances ao seu colega. Nos postos de terceiro e quarto goleiros, sempre jogadores da base ocupavam a função.Júnior e Lucas Perri se revezavam entre os relacionados para as partidas em 2019 e permaneceram no grupo para 2020. Segundo Fernando Diniz, pela ordem natural, Perri, o mais velho, assumirá a condição de reserva imediato nesta temporada. Será o primeiro goleiro formado na base tricolor a assumir a suplência definitiva desde o Mito, que passou a ser titular em 1997.

Na última rodada do Brasileirão do ano passado, Diniz escalou um time quase todo formado por jogadores que passaram por Cotia, pois já havia liberado boa parte do grupo principal para as férias. Perri foi o escolhido para o gol e fez sua estreia como goleiro do profissional. No primeiro semestre de 2019 ele ficou emprestado ao Crystal Palace-ENG, porém voltou ao São Paulo.

Assumir a reserva imediata de goleiro requer uma grande responsabilidade, pois trata-se de uma função que precisa estar pronto a qualquer momento, em qualquer circunstância de partida ou de campeonato. Além disso, precisa contar com a confiança do grupo e isso Perri já tem, principalmente de um ídolo da torcida, titular da posição e líder do elenco: Tiago Volpi.

– Não é à toa que ele é considerado uma grande promessa, pela qualidade, foi campeão na base muitas vezes, convocado para a seleção muitas vezes, teve oportunidade de ir para a Inglaterra. Ele é jovem, mas um jovem mais rodado, com muita experiência. Então, a gente também aprende com ele, que tem muitas virtudes. Para mim, ter ele em seguida, serve de motivação para esforçar mais, pois sabemos que qualquer tipo de vacilo ele entra e não sai mais, pela qualidade que tem. Tem que estar todos no mesmo nível, mas vejo isso como algo muito positivo – declarou o camisa 23 são-paulino.

Lucas Perri, Júnior e Thiago Couto, todos formados em Cotia, estão presentes no grupo que treina durante a pré-temporada do São Paulo, ou seja, independentemente de quem for o reserva de Volpi, certamente será um jovem da base. O Tricolor volta a treinar na manhã desta quinta-feira, no CT da Barra Funda, de olho na preparação para a estreia no Paulistão, dia 22 de janeiro, próxima quarta-feira, às 21h30, contra o Água Santa, no Morumbi.

Fonte