BRASILEIRÃO

Campeonato Brasileiro | 55% dos atletas da Série A são a favor de volta do futebol

Campeonato Brasileiro | 55% dos atletas da Série A são a favor de volta do futebol
Os jogadores de futebol que disputam a Série A do Campeonato Brasileiro estão divididos em relação à volta do futebol, com 55% favoráveis à retomada, e 45% contrários. Os números são parte do resultado de uma pesquisa realizada pela Federação Nacional dos Atletas Profissionais de Futebol (Fenapaf) e pela consultoria Esporte Executivo com 734 atletas…

Os jogadores de futebol que disputam a Série A do Campeonato Brasileiro estão divididos em relação à volta do futebol, com 55% favoráveis à retomada, e 45% contrários. Os números são parte do resultado de uma pesquisa realizada pela Federação Nacional dos Atletas Profissionais de Futebol (Fenapaf) e pela consultoria Esporte Executivo com 734 atletas de todos os estados e divisões do futebol brasileiro. O índice de confiança da pesquisa é de 95% e a margem de erro é de 4%. A empresa já tinha realizado, em parceria com o Sindicato dos Atletas de Futebol do Município de São Paulo (Siamfsp), uma pesquisa com atletas do estado de São Paulo.

A Série A é a divisão onde há mais jogadores contrários à volta do esporte. Na medida em que desce para as divisões inferiores, a pesquisa traz um número cada vez maior de atletas que defendem a retomada das atividades. Nas Séries B e C do Brasileirão, apenas 26% são contra a volta, com 74% votando a favor. Na Série D, 85% são favoráveis ao retorno, e só 15% contra. Entre as mulheres, 56% defendem a volta do futebol, e 44% são contrárias.

A pesquisa também mostra que os jogadores estão contando com os clubes para garantirem sua saúde e a segurança nessa retomada. 70% dos atletas ouvidos pelo trabalho afirmaram confiar nos clubes para a elaboração de estruturas e protocolos que viabilizem o retorno, enquanto 30% afirmaram não ter essa confiança.

Os jogadores também opinaram sobre as reduções salariais implementadas por alguns clubes: 74% indicou uma negociação transparente e respeitosa com os diretores responsáveis e 26% considerou que os dirigentes agiram de forma irresponsável ou mentirosa.

Fonte