BRASILEIRÃO

Candidatos ao governo de São Paulo e presidência da república pelo partido Novo visitam o Grupo Thathi de Comunicação

Candidatos ao governo de São Paulo e presidência da república pelo partido Novo visitam o Grupo Thathi de Comunicação
O Partido Novo vai disputar as eleições para governo e presidência com candidatos próprios. Foi assim que Felipe D´Ávila, candidato à presidência da república pelo Partido Novo e Vinícius Poit,  ao governo de São Paulo, iniciaram a entrevista dada ao Thathi Repórter, na manhã desta quinta-feira (10). D´Avila é empresário e Vinícius, deputado federal. Um…

O Partido Novo vai disputar as eleições para governo e presidência com candidatos próprios. Foi assim que Felipe D´Ávila, candidato à presidência da república pelo Partido Novo e Vinícius Poit,  ao governo de São Paulo, iniciaram a entrevista dada ao Thathi Repórter, na manhã desta quinta-feira (10). D´Avila é empresário e Vinícius, deputado federal. Um dos pontos iniciais da conversa girou em torno da postura partidária característica do Novo, que não se compõe com outros. Os dois candidatos afirmaram, no entanto, que isso está mudando e futuras composições poderiam ser feitas, respeitando os princípios ideológicos que norteiam o partido. Os dois enfatizaram que o Novo é um partido de direita, com viés liberal, que foca no chamado “estado mínimo”, ou seja, a participação do estado é sempre ínfima, deixando o próprio mercado resolver os seus entraves.  

Quando perguntados sobre o exemplo político, muitas vezes negacionista, com pautas polêmicas e fora do contexto, dado pelo representante do partido, na Câmara Municipal de Ribeirão, vereador André Rodini, ambos deixaram claro que preservam a liberdade de ação individual, mas não compartilham dessas ideias. Vinícius Poit observou que pretende levar ao Palácio dos Bandeirantes, caso seja eleito, uma postura rígida e respeitosa em relação ao dinheiro do contribuinte, evitando gastos desnecessários, que afrontam a realidade das pessoas. 

Felipe D´Ávila reforçou a ideia da necessidade de uma política econômica que resgate, urgentemente, o poder de compra da população, com foco aos mais carentes, na busca pela diminuição da pobreza. Ambos criticaram a política de corte do orçamento, principalmente nas áreas sociais, em detrimento de fundos eleitorais e emendas sigilosas e nada transparentes.  

O Grupo Thathi de Comunicação pretende ouvir os candidatos de todos os partidos, ampliando o horizonte dos eleitores.  

Fonte