TORCIDA

Clube fecha acordo | Globo avalia naming rights do Corinthians e teme desgaste com outros times

Clube fecha acordo | Globo avalia naming rights do Corinthians e teme desgaste com outros times
O acordo fechado pelo Corinthians com a empresa Hypera Pharma para os naming rights da Arena por 20 anos, por um valor acima de R$ 300 milhões, virou um dos assuntos mais quentes nos bastidores da Globo. O clube quer que a emissora cite o nome definido pela empresa, mas a emissora está avaliando um…

O acordo fechado pelo Corinthians com a empresa Hypera Pharma para os naming rights da Arena por 20 anos, por um valor acima de R$ 300 milhões, virou um dos assuntos mais quentes nos bastidores da Globo. O clube quer que a emissora cite o nome definido pela empresa, mas a emissora está avaliando um possível desgaste com outros clubes, como Palmeiras e Red Bull Bragantino.

Segundo apurou o UOL Esporte, o maior argumento de quem defende a citação ao naming rights é que a Hypera Pharma é uma parceira do futebol da Globo. Desde a temporada 2019, o conglomerado farmacêutico, dono de marcas como Estomazil, é uma dos seis parceiros masters das transmissões de futebol da emissora carioca.

Para não citar empresas em exibições, a Globo sempre argumenta que é uma política da empresa citar apenas marcas que pagam para a emissora e que são suas parceiras comerciais. É o caso da Hypera Pharma, que para aparecer no futebol deste ano, pagou uma cota de R$ 307 milhões para estar no futebol global.

Para o Corinthians, seria um pioneirismo inédito e uma forma de mostrar como o clube é forte nos bastidores. O problema é que uma ala na Globo defende a manutenção da regra, porque caso cite a Hypera Pharma, terá que mudar a orientação para os outros parceiros que possuem acordos com marcas, como o Palmeiras e o Red Bull Bragantino.

Ambos os clubes fecharam acordos com a Globo e aceitaram a não-citação das marcas parceiras em transmissões. É o caso do estádio Allianz Parque, até hoje chamado de Arena Palmeiras. Já o Bragantino fechou contrato recente com a emissora para o Brasileirão, com a Red Bull aceitando que a marca fosse omitida em jogos por narradores.

Para parte dos executivos da emissora, citar a Hypera Pharma criaria uma crise interna e poderia ser vista como privilégio ao Corinthians, só pelo motivo do clube ser o segundo de maior torcida do Brasil e o campeão de audiência em jogos transmitidos em São Paulo, o mais importante do Brasil e referência para investimentos do mercado publicitário na televisão.

No entanto, não citar o naming rights da Arena do Corinthians também poderia gerar uma insatisfação com uma das empresas que anunciam no futebol e paga alta quantia para isso.

O caso é tratado com bastante cautela pela Globo, e a direção espera movimentos oficiais do clube para bater o martelo sobre o que fazer.

Fonte