CARLOS AUGUSTO

Covid-19: Variante semelhante à sul-africana é identificada no Brasil

Covid-19: Variante semelhante à sul-africana é identificada no Brasil
Avalie o nosso conteúdo: Houve um erro fazendo sua requisição, por favor tente novamente! Obrigado!Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra? Cadastrar GrátisJá tem cadastro? Faça seu login Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os…


Avalie o nosso conteúdo:

Houve um erro fazendo sua requisição, por favor tente novamente!

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Já tem cadastro? Faça seu login

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Uma nova variante da Covid-19 semelhante à originária na África do Sul, conhecida como B.1.35, foi identificada pela primeira vez no Brasil em uma amostra coletada em Sorocaba, no interior de São Paulo.

A paciente infectada é moradora do município e não tem histórico de viagem à África do Sul e nem teve contato com pessoas que estiveram no país. Portanto, segundo as autoridades, ainda existe a possibilidade de que a nova variante identificada seja uma evolução da P.1, variante originária no Amazonas.

A descoberta foi realizada por um grupo de cientistas, coordenada pelo Instituto Butantan, com participação da Universidade de São Paulo (USP) e outras instituições de pesquisa.

No total, os pesquisadores sequenciaram e geraram 217 genomas do vírus, a partir de uma coleta inicial de amostras em diversas cidades paulistas, incluindo Sorocaba.

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas

O que dizem as análises

Segundo o artigo, a análise das sequências geradas demonstrou a predominância da linhagem P.1, permitindo a detecção precoce da cepa sul-africana pela primeira vez no Brasil. Os resultados destacam a importância de aumentar o monitoramento ativo para garantir a detecção rápida de novas variantes do novo coronavírus com um impacto potencial no controle da pandemia e nas estratégias de vacinação.

Dos 217 genomas analisados, 64.05% eram pertencentes à linhagem P.1, surgida no estado do Amazonas e identificada pela primeira vez no Japão, seguida pelas linhagens B.1.1.28, que era a de maior distribuição no Brasil e provavelmente originou a P.1, com 25.34% e a B.1.1.7, conhecida como variante inglesa da Covid-19, que apareceu em 5.99% das amostras.

“A linhagem P.2, também possivelmente originária da B.1.1.28, que é uma variante de grande interesse científico, foi detectada em apenas 0.92% dos casos. Isso demonstra um possível avanço da P.1 sobre outras linhagens que eram predominantes em São Paulo, como a B.1.1.28”, explicou o pesquisador Rafael dos Santos Bezerra, da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da Universidade de São Paulo (USP), um dos autores do trabalho, em entrevista ao Jornal da USP.

Ouça: Variantes de Covid-19 e o impacto na prática médica [podcast]

“Apesar de a variante sul-africana ter sido identificada em uma única amostra, esse fato é preocupante por ela ter um comportamento muito parecido com o da P.1, apresentando maior transmissibilidade e escape do sistema imune”, ressalta Rafael Bezerra.

Estudo das variantes 

A descoberta é descrita em artigo publicado como preprint (versão prévia de artigo científico), no site medRxiv no dia 4 de abril.

De acordo com o artigo, a linhagem identificada em Sorocaba compartilha 15 mutações com o isolado inicialmente encontrado na África do Sul. No entanto, outras seis dessas mutações definidoras não estão presentes na amostra e nove são exclusivas.

Leia também: Covid-19: nova variante descoberta na França não é detectável por PCR convencional

Uma rede de vigilância genômica do novo coronavírus foi montada pelo Instituto Butantan no estado paulista para descobrir como está a distribuição das variantes em São Paulo, se apareceram alterações nos genomas e se os vírus estão mais ou menos problemáticos.

O objetivo é realizar a detecção precoce de variantes potencialmente perigosas para que as autoridades públicas possam lançar medidas capazes de contê-las antes que elas se espalhem para outras regiões do país. 

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Autora:

Referências bibliográficas:

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Fonte