Sem categoria

Craque do Corinthians | Sócrates faria 66 anos nesta quarta; relembre momentos marcantes

Sócrates Brasileiro Sampaio de souza Vieira de Oliveira, o Doutor, como foi carinhosamente chamado durante sua trajetória nos gramados, completaria 66 anos nesta quarta-feira (19). Sócrates morreu em 04 de dezembro de 2011, aos 57 anos, em decorrência de um choque séptico, após um período de internação por conta de hemorragia gástrica alta. Formado em…

Sócrates Brasileiro Sampaio de souza Vieira de Oliveira, o Doutor, como foi carinhosamente chamado durante sua trajetória nos gramados, completaria 66 anos nesta quarta-feira (19).

Sócrates morreu em 04 de dezembro de 2011, aos 57 anos, em decorrência de um choque séptico, após um período de internação por conta de hemorragia gástrica alta.

Formado em medicina pela USP de Ribeirão Preto, o paraense Sócrates começou sua carreira pelo Botafogo de Ribeirão, onde atuou entre 1974 e 1978, sendo contratado em seguida pelo Corinthians, em uma estratégia de bastidores que teve Vicente Matheus como seu idealizador.

Estádio Santa Cruz lotado para prestigiar o Botafogo de Ribeirão Preto na década de 70. Em pé, da esquerda para a direita: Wilson Campos, Ney Roz, Lorico, Paulão, Aguillera e Manoel. Agachados: Zé Mário, Sócrates, Arlindo Fazolin, Osmarzinho e Zito. Foto enviada por Renata Roz de Souza, filha de Ney Roz

Na ocasião, o São Paulo tinha interessse em trazer Sócrates, mas Matheus foi esperto. Reuniu-se com a diretoria são-paulina simulando interesse no médio-volante Chicão, distraindo a cúpula do Tricolor, enquanto Isidoro Matheus, seu irmão, viajava a Ribeirão Preto para contratar o “Magrão”. 

Pelo Corinthians, Sócrates “decolou”. Conquistou três títulos paulistas (em 1979, contra a Ponte Preta) e dois consecutivos, ambos diante do São Paulo (1982 e 1983). 

Formou parcerias memoráveis no Alvinegro, primeiro com Palhinha e depois com Casagrande. Atuou em 298 partidas pelo Corinthians e marcou 172 gols (nono maior artilheiro da história do Timão).

Dia de sua apresentação no Corinthians, no Parque São Jorge. À frente, Isidoro Matheus, Orlando Monteiro Alves, Sócrates e Vicente Matheus. Foi Isidoro quem viajou a Ribeirão para contratar o Doutor. Matheus, em São Paulo, simulava interesse por Chicão, do São Paulo, distraindo os dirigentes tricolores que estavam ávidos pela contratação de Sócrates. Uma tacada de mestre de Matheus. Foto: Revista Placar

ENGAJADO NA POLÍTICA

Pelo clube de Parque São Jorge foi um dos idealizadores da “Democracia Corintiana”, que contou com respaldo da diretoria do então presidente Waldemar Pires e do diretor de futebol Adilson Monteiro Alves. Politicamente engajado, participou de inúmeras manifestações na campanha das “Diretas Já” pela volta da democracia e das eleições diretas ao País durante o sombrio período da ditadura militar. 

Declarou, durante o grande comício pelas “Diretas Já,” no Vale do Anhangabaú, que não deixaria o Brasil se a emenda Dante de Oliveira (pelas eleições diretas) fosse aprovada, em 1984.

Enquanto Osmar Santos fala ao microfone, atrás, da esquerda para a direita, aparecem Sócrates, Fernando Henrique Cardoso, Casagrande e Adilson Monteiro Alves no palanque do comício pelas “Drietas Já” no Vale do Anhangabaú, em 1984, em São Paulo.. Foto: Reprodução

Alto, com 1,92m, Sócrates tinha pés pequenos (calçava 41) para sua estatura, e compensava a desproporcionalidade utilizando o calcanhar. Sócrates dizia que era uma questão prática, pois era complicado virar o corpo com pés pequenos para sua estatura.

Parcerias marcantes, primeiro com Palhinha (à esquerda) e, depois, com Casagrande. Fotos: Revista Placar

SELEÇÃO BRASILEIRA

Foi um dos destaques da seleção brasileira na Copa de 1982 (era o capitão do time) na Espanha e também disputou o Mundial de 1986, no México, quando não estava em sua melhor forma física, sofrendo com uma hérnia de disco.Aliás, falando em seleção brasileira, Sócrates estreou na goleada por 6 a 0 contra o Paraguai, no Maracanã, amistoso realizado em 17 de maio de 1979. O primeiro gol com a camisa canarinho aconteceu no jogo seguinte, também um amistoso, contra o Uruguai.

No terceiro jogo, um gol de placa, mais um amistoso, desta vez contra o Ajax (goleada brasileira por 5 a 0), no Morumbi. Sócrates ainda fez o segundo gol. O placar foi complementado por Toninho e Zico (dois).

ABAIXO, VÍDEO COM A GOLEADA DO BRASIL SOBRE O AJAX (HOLANDA) POR 5 A 0, AMISTOSO DISPUTADO NO MORUMBI NA NOITE DE 21 DE JUNHO DE 1979. SÓCRATES MARCOU DOIS GOLS, O PRIMEIRO DELES, UM GOLAÇO. A NARRAÇÃO É DE ALEXANDRE SANTOS (TV BANDEIRANTES).

Que privilégio da bola, prestes a se encontrar com Maradona ou Sócrates em 2 de julho de 1982, dia de Brasil 3 x 1 Argentina na Copa da Espanha, no Estádio Sarriá. Foto: Divulgação

FIORENTINA

Teve uma curta passagem pela Fiorentina (1984-1985), clube italiano que fez bela homenagem quando Sócrates morreu. No time Viola, Sócrates atuou em 25 jogos e marcou seis gols, incluindo um por cobertura. Sem os amigos que tanto prezava, uma vez que sempre foi muito sociável, Sócrates ficou muito infeliz em Florença, o que abreviou sua passagem pelo clube italiano.

Pela Fiorentina, em 1984. Foto: Divulgação

Um minuto de silêncio em homenagem a Sócrates antes de jogo da Fiorentina em 04 de dezembro de 2011. Foto: Reprodução

ABAIXO, JOGADAS E GOLS DE SÓCRATES PELA FIORENTINA, ENTRE 1984 E 1985

RETORNO AO BRASIL

Sócrates chegou a ser anunciado pela Ponte Preta após deixar a Fiorentina (foi até capa da Revista Placar com a camisa do time campineiro), em uma tentativa do grupo liderado por Luciano do Valle, mas acabou acertando mesmo com o Flamengo, onde atuou ao lado de Zico, entre 1985 e 1987. Em seguida, deixou os gramados.

Sócrates esteve próximo de acertar seu retorno ao Brasil pela Ponte Preta, mas fechou mesmo com o Flamengo, onde atuou entre 1985 e 1987. Fotos: Revista Placar

SANTOS E BOTAFOGO DE RIBEIRÃO PRETO

Negociou sua volta aos futebol com Vicente Matheus, para mais uma vez defender o Corinthians, mas o presidente alvinegro, desta vez, não se esforçou para contar com o camisa 8 em seu elenco.

Acabou acertando um contrato para defender seu clube de infância, o Santos, onde jogou entre 1988 e 1989, mesmo ano em que encerrou definitivamente sua carreira, exatamente no clube pelo qual começou, o Botafogo de Ribeirão Preto.

Sócrates, pelo Santos, na tarde de 04 de junho de 1989, tentando desvencilhar-se de Wilson Mano, do Corinthians, durante partida pelo campeonato paulista que terminou 0 a 0, no Morumbi. Foto: Reprodução

FAMÍLIA

Sócrates foi casado por quatro vezes e teve seis filhos: Gustavo, Rodrigo, Eduardo, Marcelo, Sócrates Júnior e Fidel Castro. Sua última união foi com a jornalista Kátia Bagnarelli Vieira de Oliveira. Ela esteve ao seu lado até o momento de sua morte.

Em 05 de setembro de 2011, no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, ao lado de sua última companheira, Kátia Bagnarelli. Foto: Divulgação

Torcida corintiana presta homenagem a Sócrates no dia de sua morte, no Pacaembu, em 04 de dezembro de 2011, antes do jogo que definiu o Campeonato Brasileiro daquele ano para o Corinthians, no empate em 0 a 0 com o Palmeiras. Os torcedores e os jogadores do Corinthians (no centro do gramado) levantaram o braço direito, marca registrada de Sócrates nas comemorações de seus gols. Foto: Marcos Júnior Micheletti/Portal TT

“Lembrança do Sócrates”. O autógrafo do Doutor em 1982. Arquivo pessoal de Marcos Júnior Micheletti

 ABAIXO, VÍDEO COM DIVERSAS JOGADAS E GOLS DE SÓCRATES

CLIQUE AQUI E VEJA A PÁGINA DE SÓCRATES NA SEÇÃO “QUE FIM LEVOU?”

Fonte