BRASILEIRÃO

Doria autoriza volta do Paulistão para o dia 22: saiba quando será a final

Doria autoriza volta do Paulistão para o dia 22: saiba quando será a final
O governador de São Paulo João Doria discursa sobre a volta do futebol no Estado durante coletiva no Palácio dos Bandeirantes. Ao fundo, vice-presidente da Federação Paulista de Futebol, o ex-jogador Mauro Silva, ao lado do presidente Reinaldo Carneiro Bastos - 8/7/2020 Governo do Estado de São Paulo/Flickr Publicidade Na coletiva diária do governador de São…
O governador de São Paulo João Doria discursa sobre a volta do futebol no Estado durante coletiva no Palácio dos Bandeirantes. Ao fundo, vice-presidente da Federação Paulista de Futebol, o ex-jogador Mauro Silva, ao lado do presidente Reinaldo Carneiro Bastos – 8/7/2020 Governo do Estado de São Paulo/Flickr

Publicidade

Na coletiva diária do governador de São Paulo nesta quarta-feira 8, João Doria ratificou o protocolo sugerido pela Federação Paulista de Futebol (FPF) e pelos 16 clubes que compõem o Campeonato Paulista. A informação, antecipada com exclusividade por PLACAR, aponta que o Estadual mais rico do país será reiniciado no próximo dia 22 de julho, uma quarta-feira.

“O Centro de Contingência da Covid-19 aprovou em conjunto com a FPF o novo protocolo do Campeonato Paulista. Os jogos devem ocorrer em cidades dentro das regiões da zona amarela da pandemia e sem a presença de torcida. No dia 22 de julho, vai acontecer a primeira rodada”, afirmou o tucano em pronunciamento no Palácio dos Bandeirantes.

O presidente da Federação Paulista de Futebol Reinaldo Carneiro Bastos e seu vice, o ex-jogador Mauro Silva, campeão do mundo com a seleção brasileira em 1994, estiveram presentes na coletiva e demonstraram apoio à volta das competições no Estado. “Em nenhum momento faltou atenção, diálogo e harmonia entre o futebol de São Paulo e o Estado. Vamos continuar respeitando vidas, cumprindo rigorosamente os protocolos aprovado pelos médicos. Tenho convicção que nós vamos continuar dando o exemplo, preocupados com a saúde da nossa população, das comissão técnicas, atletas, árbitros e imprensa neste retorno, com segurança”, afirmou Bastos.

No último dia 17, Doria veio a público para anunciar que os times paulistas estavam autorizados a retomar os treinamentos a partir do dia 1º de julho. O comunicado foi um balde de água fria para os clubes, que esperavam seguir o exemplo do Rio de Janeiro e retomar as atividades nos CTs imediatamente. Nesta terça 7, a FPF divulgou a intenção de retomar a competição em duas semanas, sem a presença de público, “com a garantia de que a competição será finalizada de forma segura a todos”. Junto à nota, a FPF disponibilizou um protocolo com todas as medidas de segurança e sanitárias que irá tomar para garantir que não haja risco de infecção da Covid-19 entre as delegações.

Continua após a publicidade

Com a volta da competição marcada, as seis rodadas que restam serão realizadas em jogos às quartas e aos domingos. O governador confirmou que a final será realizada no dia 8 de agosto, um sábado. O dia seguinte, domingo, 9, foi a data escolhida pela CBF para o retorno do Campeonato Brasileiro. Mas o conflito de datas não deve ser um problema. Segundo PLACAR apurou, Rogério Caboclo, presidente da CBF, e Reinaldo Carneiro Bastos, mandatário da FPF, já entraram em acordo para remarcar a partida dos finalistas do Estadual na primeira rodada da Séries A ou B do Brasileirão.

Ao contrário do que aconteceu no Campeonato Carioca, em que os jogos foram concentrados na capital Rio de Janeiro, em São Paulo as equipes poderão mandar, em tese, suas partidas nos seus estádios próprios. A exceção é o time com melhor campanha até aqui, o Santo André – o estádio Bruno José Daniel abriga um hospital de campanha e o Ramalhão escolheu o Canindé, estádio da Portuguesa, como nova casa temporária.

Em tese porque o protocolo pode atrapalhar a maioria das equipes. Dos 16 participantes, apenas os três grandes da capital (Corinthians, Palmeiras e São Paulo) e os dois da região metropolitana (Água Santa e Santo André) estão em municípios dentro da zona amarela. O restante integra a zona vermelha da infecção e, de acordo com a determinação do Centro de Contingência da Covid-19, não poderiam receber jogos. O presidente da FPF afirmou que a competição irá respeitar o que foi acordado com o governo do Estado, mas que ainda não tem uma definição sobre a situação destes clubes. Reinaldo Carneiro Bastos explicou irá começar a trabalhar no assunto a partir de agora, com o calendário estipulado.

Fonte