TORCIDA

E o futebol move a política outra vez

E o futebol move a política outra vez
A manifestação de torcedores dos quatro clubes grandes de São Paulo no domingo, na Avenida Paulista, continuou a movimentar o noticiário político durante toda a segunda-feira. E não é a primeira vez que isso acontece.Nem a segunda.É, no mínimo, a terceira nos últimos 41 anos.Em 1979, no Morumbi, com 114 mil torcedores, foi aberta pela…

A manifestação de torcedores dos quatro clubes grandes de São Paulo no domingo, na Avenida Paulista, continuou a movimentar o noticiário político durante toda a segunda-feira.

E não é a primeira vez que isso acontece.

Nem a segunda.

É, no mínimo, a terceira nos últimos 41 anos.

Em 1979, no Morumbi, com 114 mil torcedores, foi aberta pela primeira vez em público uma faixa pela Anistia ampla, geral e irrestrita, em plena ditadura.

Jogavam Corinthians e Santos e a faixa foi aberta no meio da torcida corintiana, sem dar tempo para a polícia agir.

Em 1984, na campanha pelas Diretas Já!, no Vale do Anhangabaú, cerca de um milhão e 500 mil brasileiros viram o Doutor Sócrates, ao lado de Osmar Santos e Casagrande, prometer que ficaria no Brasil caso as diretas fossem aprovadas.

Agora, de novo, inspirados por sentimento democrático, torcedores vão às ruas, desafiam a pandemia e dizem não ao retrocesso autoritário pregado por alguns barulhentos adeptos do governo federal.

A Lei da Anistia acabou promulgada ainda em 1979.

As eleições diretas só vieram em 1989.

Barrar aventuras fascistóides é tarefa para já.

Comentário para o Jornal da CBN desta terça-feira, 2 de junho de 2020.

Fonte