TORCIDA

Juca Kfouri | Bolsonaro cumpre o que prometeu e destrói até futebol

Juca Kfouri | Bolsonaro cumpre o que prometeu e destrói até futebol
Antigamente, ali pelos anos 1970/80/90, fazer uma revista semanal de futebol como a Placar era um desafio. Além da concorrência brutal dos jornais, com seus cadernos de esportes, principalmente às segundas-feiras, ainda havia a intensa programação das emissoras de rádio, na hora do almoço, antes e depois do jantar. E, é claro, das tevês. Nem…

Antigamente, ali pelos anos 1970/80/90, fazer uma revista semanal de futebol como a Placar era um desafio.

Além da concorrência brutal dos jornais, com seus cadernos de esportes, principalmente às segundas-feiras, ainda havia a intensa programação das emissoras de rádio, na hora do almoço, antes e depois do jantar. E, é claro, das tevês.

Nem eram, no entanto, os jornais, as rádios e as tevês os maiores problemas da revista. Eram os cartolas. Campeonatos com regulamentos ambíguos, decisões absurdas das federações e da CBF constantemente iam parar na Justiça, primeiro na esportiva, depois na comum, e jogos eram adiados, decisões de torneios iam para o tapetão.

As edições eram fechadas aos domingos à noite ou no começo das madrugadas das segundas-feiras, para chegar às bancas, em São Paulo e no Rio nas terças-feiras, nas demais cidades às quartas e, muitas vezes, já chegavam velhas, superadas por alguma canetada, alguma liminar, qualquer lambança.

Então, a capa que anunciava o grande jogo do fim de semana seguinte, estava vencida, porque o clássico não aconteceria.

Assim aconteceu na decisão do Campeonato Paulista de 1979, à época tão mais importante que o Brasileiro que apenas Palmeiras e Guarani disputaram a competição nacional, pois Corinthians, São Paulo e Santos abdicaram para se concentrar na estadual.

Para definir os quatro semifinalistas, a FPF marcou rodada dupla no Morumbi, com renda dividida entre o quarteto: Corinthians e Ponte Preta fariam a preliminar e Palmeiras e Guarani o jogo de fundo.


O Palmeiras era, disparado, o melhor time.

O presidente corintiano Vicente Matheus bateu o pé, disse que o time não jogaria porque não aceitava a divisão paritária: “Vivemos no comunismo?”, perguntou. E respondeu: “O Corinthians tem mais torcida que os outros três juntos”.

A coisa acabou nos tribunais, a rodada foi adiada, vieram as férias, e o campeonato só foi decidido em 1980.

Aí, a vantagem do Palmeiras de Telê Santana desfez-se, o Corinthians arrancou um empate no primeiro jogo semifinal (1 a 1) e, com gol de canela de Biro-Biro, eliminou o alviverde para ser campeão novamente contra a Ponte Preta, com exibição de gala da dupla Sócrates e Palhinha.

Dez anos depois foi pior: após o último jogo do Campeonato Carioca, Botafogo e Vasco deram a volta olímpica no Maracanã diante de apenas 35 mil torcedores, cansados da polêmica em torno da interpretação do regulamento.

A justiça desportiva levou dez dias para definir o Botafogo como campeão.

A Placar, que vendia feito água com suas edições de campeões, morria aos poucos como semanal, até porque, no mesmo 1990, a decisão paulista se deu entre Bragantino e Novorizontino.

Pois eis que retornamos aos tempos das incertezas.

O futebol voltou no Rio, mas não voltou, e voltou de novo.

Bolsonaro cumpre o que prometeu: destruir o que está aí.

Da Amazônia aos direitos estabelecidos, todos eles. A cultura, os povos indígenas, a Terra redonda, os negros, LGBTs, o prestígio do Exército.

Só mantém o centrão.

Fonte