MORUMBI

Paraisópolis: como um loteamento de alto padrão virou a 2ª maior favela de SP

Paraisópolis: como um loteamento de alto padrão virou a 2ª maior favela de SP
Direito de imagem Arquivo pessoal Image caption Chegada de moradores em 1968: na época, comunidade ainda era chamada de 'Paraizópolis' Foi em um campo de 10 km² em uma região quase inabitada na zona sul de São Paulo que Lourival Clemente da Silva enxergou uma oportunidade de construir uma nova vida.Ele havia recém chegado de…

Direito de imagem
Arquivo pessoal

Image caption

Chegada de moradores em 1968: na época, comunidade ainda era chamada de ‘Paraizópolis’

Foi em um campo de 10 km² em uma região quase inabitada na zona sul de São Paulo que Lourival Clemente da Silva enxergou uma oportunidade de construir uma nova vida.

Ele havia recém chegado de Alagoas, em 1964, e não tinha onde morar. Lourival decidiu construir naquele loteamento de alto padrão abandonado, onde até então só havia mato, plantações, pântanos e colinas, uma das primeiras casas de madeira, para viver com a mulher e os filhos.

Algum tempo depois, ele fez outra casa para a sogra. E mais outra para os pais. E mais algumas para alugar e revender. Ali, Lourival virou o Louro, e aquele campo onde ele fixou residência, Paraisópolis, a segunda maior favela da cidade.

Hoje, vivem na comunidade cerca de 100 mil pessoas, e Paraisópolis continua a crescer mesmo com graves problemas de saneamento, mobilidade e segurança, como na semana passada, quando uma ação da Polícia Militar no Baile da 17 terminou com nove jovens mortos.

Muitos dos seus moradores atualmente são da terceira, quarta ou até quinta geração das famílias dos primeiros moradores.

O filho de Louro, Gilson, de 49 anos, já nasceu em Paraisópolis e viu ela se transformar. Ele diz estar acostumado com os congestionamentos nas vias estreitas da favela, onde carros disputam o espaço com motos, ciclistas e pedestres que não cabem nas calçadas apertadas. Mas lembra que tudo era bem diferente quando era criança.

“Paraisópolis era uma enorme fazenda. As ruas eram todas de terra. Tinha só seis carros. Para ir até a casa da minha vó, a duas quadras de distância, atravessava um bananal e um cafezal. Havia um grande pântano onde hoje é um supermercado. E o cemitério do Morumbi ficava num matagal”, diz Gilson.

Do outro lado do rio

Direito de imagem
Prefeitura de SP

Image caption

Paraisópolis era uma área desocupada na zona sul de SP que atraiu imigrantes por sua localização e oferta de empregos no entorno

Paraisópolis fica em uma região que ainda era uma zona rural da cidade no início do século passado. O terreno da Fazenda do Morumbi foi então dividido em 1921 em 2,2 mil lotes pela União Mútua Companhia Construtora e Crédito Popular S.A.

Joildo Santos, diretor da Agência Paraisópolis, que mantém um dos principais acervos da memória da comunidade, conta que propagandas de jornal da época anunciavam as vendas do “Loteamento Paraizópolis”.

O nome do local ainda era escrito com um “z” no lugar do “s”, e as fotos dos anúncios mostravam casas de alto padrão de estilo europeu com quintal na frente.

Santos afirma que os lotes até foram vendidos, mas os donos nunca os ocuparam, e a região permaneceu deserta, salvo por algumas outras fazendas.

Um dos motivos foi a característica geográfica da região, diz Angélica Benatti Alvim, diretora da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Presbiteriana Mackenzie.

“O loteamento apresentou problemas já de cara, porque é uma região muito íngreme, cortada por alguns córregos importantes, o que fez com que algumas áreas fossem impossíveis de ocupar e urbanizar”, diz Alvim.

Em áreas com grandes declives, é mais complexo implantar um sistema viário ou redes de água e esgoto. À falta de infraestrutura, somou-se o fato de a construção de uma casa em locais assim ser mais cara.

“Era uma viagem chegar no Morumbi. Ficava longe, no meio do mato, em uma zona de fronteira de São Paulo, do outro lado do rio Pinheiros, quando ainda não tinham sido construídas as pontes que hoje ligam uma margem à outra”, diz o arquiteto urbanista Valter Caldana, professor da Mackenzie.

A área só começaria a ser ocupada a partir dos anos 1950, de maneira informal. São Paulo se industrializava e recebia muitos imigrantes pobres do interior do Estado, de Minas Gerais e do Nordeste.

Santos diz que a maior parte desses imigrantes se mudou para ali em busca de empregos na construção civil e em grandes projetos como os do hospital Albert Einstein e do estádio do Morumbi.

“As pessoas vinham trabalhar e traziam parentes. A região começou a ser povoada, e esse processo ganhou força nas duas décadas seguintes, quando começou a ter a cara que tem hoje”, diz Santos.

Direito de imagem
Google

Image caption

Paraisópolis é hoje considerada pela Prefeitura de São Paulo a 2ª maior favela da cidade

A construção de prédios no Morumbi criou mais postos de trabalho e tornou a área ainda mais atraente. A presença de muitas famílias de classe média e média alta fez surgir uma série de empregos domésticos e de prestação de serviços.

“É um momento de crescimento muito intenso de São Paulo, quando a cidade começa a ganhar ares de metrópole. Mas com um modelo de desenvolvimento que não deu oportunidade para os recém-chegados se instalarem formalmente na cidade”, diz Raquel Rolnik, professora da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (USP).

“Paraisópolis começa como uma ocupação, mas depois surge um mercado paralelo de compra e venda de terrenos em Paraisópolis e outras regiões para atender essa demanda oferecendo um produto de quinta, irregular, para quem tinha pouca ou nenhuma renda.”

Clima bucólico

Direito de imagem
Arquivo pessoal

Image caption

Dona Maria, esposa de seu Louro, com os filhos Gil e Gilda em 1970: Na época, ‘quase ninguém queria morar em Paraisópolis por conta da dificuldade de acesso e a estrutura precária’

Com o tempo, Paraizópolis virou Paraisópolis — e também mudou a vista da janela da casa de Louro, conforme mais pessoas chegaram para morar na comunidade nos últimos 50 anos.

“Antes, dava para ver o matagal em volta. A gente até conseguia ver os meninos jogando bola no campo. Mas foram erguendo as casas, e hoje minha mãe não vê mais nada”, afirma Gilson.

Gilberto, um dos quatro filhos de Louro, conta que seu pai viajou para São Paulo num pau de arara com a mulher grávida para trabalhar como pedreiro, mas só ficou neste trabalho por seis meses, porque não tinha prática.

“Quando ele foi demitido, comprou uma carroça e passou a vender porco salgado nas ruas. No ano seguinte, ele comprou uma venda de um senhor português que foi morto por um cliente e a chamou de Mercado do Louro”, diz Gilberto, que hoje cuida com a família do negócio criado por seu pai, que faleceu há cinco anos, após um infarto.

Direito de imagem
Arquivo pessoal

Image caption

Interior do Mercado do Louro em 1983: proprietário (primeiro à esq.) chegou a São Paulo em um pau de arara com a esperança de trabalhar na construção

Os filhos de Louro lembram que quase ninguém queria morar em Paraisópolis por conta da dificuldade de acesso e a estrutura precária. Os grandes morros eram uma barreira até para os caminhões que faziam entregas na região.

Em dias de chuva, era necessário amarrar correntes nas rodas dos carros ou esvaziar os pneus para conseguir andar na lama que se formava, enquanto as crianças e trabalhadores envolviam os pés em sacolas de plástico para não sujar os sapatos.

Gilson conta que, em sua infância, o clima era bucólico. “Tínhamos córregos limpos e, em um deles, havia uma criação de carpas. A gente fazia pequenos barcos para passear e, na época da chuva, via um belo arco-íris no rio Pinheiros, por cima das copas das árvores. Foi um tempo que poucos viram”, relembra ele, com saudade.

Direito de imagem
Arquivo pessoal

Image caption

Rua Iratinga em 1980: clima bucólico

Naquela época, Louro começou a construir um barraco de madeira para a sogra morar. Mas, antes de o aviso chegar a Alagoas, ele vendeu o imóvel para outra família. Louro percebeu então que poderia ganhar dinheiro vendendo e alugando barracos.

Gilberto diz que seu pai também notou que a maior parte das famílias era muito pobre e doou mais de 40 barracos na comunidade. Hoje, há um projeto na Câmara Municipal de São Paulo para batizar um parque em homenagem a Lourival Clemente da Silva.

Urbanização

Joildo Santos diz que, a partir do final da década de 1970, começou a haver uma pressão, por meio de uma série de processos na Justiça, para que as famílias fossem expulsas da área. Ele estima que 40 mil pessoas já morassem em Paraisópolis na época.

Alvim afirma que foi elaborado na época um plano de ocupação da região com residências unifamiliares, como já havia ocorrido no Morumbi, e que previa a desapropriação de quem já vivia ali.

“A Prefeitura tinha cinco anos para executar, mas nunca fez. Nada nunca foi pra frente ali em Paraisópolis. Ao ignorar o problema em vez de lidar com ele, o efeito foi o contrário, e a ocupação se intensificou”, diz a arquiteta.

A comunidade cresceu de forma desordenada. As casas eram construídas sem acabamento e ampliadas aos poucos, com o tempo.

Direito de imagem
Arquivo pessoal

Image caption

Gil com os irmãos e o primo em frente ao mercado da família em 1976

O diretor da Agência Paraisópolis diz que o início da urbanização da favela, com a construção de postos de saúde e escolas, dificultou a remoção das famílias do local.

Paraisópolis nunca chegaria a ter grandes áreas desapropriadas, como ocorreu com outras favelas da região central de São Paulo, com exceção de alguns trechos que deram lugar a avenidas.

A partir dos anos 1980, houve uma mudança na postura do poder público em relação às favelas, que, em vez de serem eliminadas, passaram a ser urbanizadas

“Começaram a levar uma infraestrutura parcial de água, esgoto e energia, mas acho que não atendia a 20% da área. A população ali, com o mercado imobiliário pujante no entorno, foi crescendo e se adensando cada vez mais”, afirma Alvim.

Paraisópolis posteriormente também foi asfaltada e ganhou iluminação pública. A partir do fim dos anos 1990, começou a trocar os barracos de madeira por casas de concreto. Mas até hoje não há ali nenhum parque, sala de cinema ou biblioteca públicos.

Explosão habitacional e violência

O número de moradores cresceu mais intensamente nos anos 1990, quando outras favelas da cidade foram eliminadas e quem vivia nelas foi viver em Paraisópolis.

Mas, rodeada por prédios, casas e condomínios de alto padrão, a favela não podia mais se expandir para os lados. Para acomodar quem chegava e as famílias que se multiplicavam, a saída foi ocupar cada espaço disponível e crescer para cima.

“As pessoas passaram a criar um segundo, terceiro ou quarto andar, não só para ser uma opção de moradia para parentes e filhos que constituem um novo núcleo familiar, mas também para alugar, como uma fonte de renda. É um fenômeno generalizado no Brasil”, diz Rolnik.

Em meio a este processo, Paraisópolis tornou-se um exemplo incomum entre as favelas de São Paulo.

Direito de imagem
BBC News Brasil

Image caption

Ao contrário de muitas favelas de SP, Paraisópolis não fica na periferia, mas ao lado de áreas consideradas nobres

“Os bairros pobres e favelas costumam se formar nas zonas periféricas, onde a terra é mais barata e há mais espaços disponíveis. Isso faz com que haja grandes distâncias entre ricos e pobres. Mas Paraisópolis é muito visível aos olhos da riqueza”, diz Caldana.

Paraisópolis também é excepcional por seu tamanho. “A cidade tem cerca de 1,6 mil favelas. São muitas, mas pequenas”, diz Rolnik.

Outra exceção, tanto pela proximidade com áreas consideradas nobres quanto por seu número de habitantes, é a comunidade de Heliópolis, também na zona sul de São Paulo.

Heliópolis tinha, de acordo com o censo de 2010, menos moradores do que Paraisópolis, mas os dados hoje estão defasados, e a Prefeitura de São Paulo a considera a maior favela da cidade, pela área que ocupa. Paraisópolis é a segunda, conforme este critério.

“Hoje, Paraisópolis não cresce mais atraindo imigrantes, mas com as próprias famílias que já estão na favela”, afirma Alvim.

A arquiteta aponta que o principal problema de Paraisópolis é a falta de continuidade das políticas públicas voltadas para a região.

“É claro que existem ali alguns problemas graves, como trechos dominados pelo tráfico, principalmente as áreas de maior insalubridade e de difícil acesso. Mas não bastam quatro anos de governo para resolver isso. É preciso um plano contínuo”, diz Alvim

Boa parte do que seus moradores conseguem, como parquinhos infantis, biblioteca e eventos culturais, é graças à atuação de ONGs, empresas privadas ou pela união da própria comunidade.

Direito de imagem
Arquivo pessoal

Image caption

Louro com a esposa e padre Veremundo, conhecido na comunidade nos anos 80: a infraestrutura existente hoje é resultado do trabalho de ONGs, empresas privadas e da própria comunidade

Caldana diz que a região vem se transformando nos últimos anos graças à sua capacidade de organização.

“É uma comunidade muito bem estruturada, com associações de moradores e trabalhos de instituições nascidas lá ou que vieram de fora. Paraisópolis é hoje um bairro. Precisamos romper com essa visão preconceituosa e segregadora com relação às favelas”, afirma o urbanista.

‘Amo esse lugar’

Hoje, Paraisópolis ainda é alvo de dezenas de processos judiciais, entre ações de reintegração de posse e usucapião.

Mas já tem uma parte significativa regularizada, como as áreas em que foram construídos um banco, uma loja de uma das maiores empresas brasileiras de varejo e até mesmo moradores que compraram seus terrenos diretamente do dono anterior.

Gilberto, filho de Louro, reconhece que a região se tornou mais insegura ao longo das décadas. “Mas o poder público precisa trabalhar na prevenção, com ações de inteligência, não da forma como fizeram no Baile da 17. Não se trata ninguém daquele jeito”, afirma ele.

Direito de imagem
Sebastiao Moreira/EPA

Image caption

Morador se manifesta contra ação da polícia que deixou 9 jovens mortos: ‘Não se trata ninguém daquele jeito’, diz Gilberto

“Baile é que nem feira livre: todo mundo ama, mas ninguém quer na porta da sua casa todo dia. O ideal seria ter um horário e espaço adequado para não atrapalhar o trabalhador, mas é preciso solucionar o problema sem banalizá-lo como algo que só atrapalha”, disse.

Ele diz que, em comparação com o passado, Paraisópolis melhorou muito e está “uma maravilha, excelente”. Mas deixa a desejar “quando você olha para as outras regiões” da cidade.

“Nossa maior dificuldade talvez seja na área de saúde. Já lutamos muito, mas não temos um hospital. Entra e sai governo e ficamos só na promessa”, afirma.

Ao ser questionado sobre o futuro do bairro, ele diz emocionado que é ali onde ele mais se sente bem.

“Estou aqui porque amo esse lugar. Vejo a dificuldade das pessoas, mas, para mim, é o melhor lugar do mundo. Eu me sinto mais seguro aqui dentro do que no Morumbi. Estou ensinando meus filhos a ter respeito e a valorizar essa comunidade. E eles vão passar isso para os filhos deles.”

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Fonte