BRASILEIRÃO

Quatro sinais de que a saúde mental do colaboorador não vai bem

Quatro sinais de que a saúde mental do colaboorador não vai bem
Startup especializada em teleconsultas em terapias integrativas aponta como o autocuidado e a prevenção podem evitar colapsos São Paulo, janeiro de 2022 – Falar sobre saúde mental continua sendo um assunto urgente, principalmente quando se trata do ambiente corporativo, onde muitas vezes as tensões do dia a dia também podem provocar grandes prejuízos emocionais, principalmente se…

Startup especializada em teleconsultas em terapias integrativas aponta como o autocuidado e a prevenção podem evitar colapsos

São Paulo, janeiro de 2022 – Falar sobre saúde mental continua sendo um assunto urgente, principalmente quando se trata do ambiente corporativo, onde muitas vezes as tensões do dia a dia também podem provocar grandes prejuízos emocionais, principalmente se pensarmos a médio e longo prazo. Segundo estimativas da Organização Mundial da Saúde (OMS), o problema já afeta em US$ 1 trilhão o PIB mundial, considerando os impactos que as doenças mentais podem causar, como absenteísmo e falta de produtividade.

Por isso, mais do que nunca, é preciso estarmos alertas aos sinais que o corpo pode nos enviar, como a dificuldade para dormir e o alto  estresse, por exemplo, adotando uma postura mais do que preventiva, e sim o autocuidado. “É preciso que o autocuidado vire rotina, afinal, muitos desses sinais já foram normalizados pela maioria das pessoas, que não se atentam para o perigo de ignorá-los”, explica Karina Servi, terapeuta da Naomm, plataforma que reúne terapeutas qualificados e licenciados em PICs – Práticas Integrativas e Complementares.

Mas, afinal, quais são os primeiros sinais de que a saúde mental do colaborador não está bem? Para auxiliar com a questão, a especialista separou os quatro principais alertas que, à primeira vista, podem parecer inofensivos, mas que podem levar uma pessoa ao colapso mental, emocional e facilmente a problemas mais graves de saúde. Confira!

1. Insônia



É o ponto mais importante: se não há um sono de qualidade é impossível que o corpo recupere as energias para seguir um novo dia. E quando se acumula, não há recuperação.  O sono é um dos principais fatores que afetam a saúde mental, emocional e física. 

Quando há insônia, dificuldade para dormir,  acorda-se  várias vezes à noite, ou ainda até  se dorme, mas se acorda com cansaço, é um grande sinal a ser reconhecido. Por isso, antes de mais nada, é preciso entender o que o corpo está sinalizando, afinal, dormir é uma ferramenta natural. 

E muito cuidado ao recorrer à medicamentos para sanar o problema.  Às vezes, o uso de remédios será necessário, porém, precisa ser indicado por um médico. 

2. Irritabilidade e estresse

Durante nossa rotina, muitas vezes temos que lidar com situações que nos levam à irritabilidade e ao estresse. O importante aqui é identificar quando o problema é algo isolado ou constante.

Quando a irritação vira algo constante e nos leva a ter reações aumentadas frente a pequenos acontecimentos, é um sinal vermelho. Se o estresse vier acompanhado também de problemas para dormir, é hora de buscar ajuda.

3. Mudança repentina de humor

Estar bem e, de repente, sentir raiva intensa ou sentimentos depressivos pode indicar um problema. Claro que é normal reagir de formas diferentes a situações diferentes, porém, a persistência na inconstância pode ser um sinal do corpo de que algo não está bem e deve ser investigado. 

Se tiver dúvidas em relação a essa questão, pergunte aos seus colegas de trabalho e familiares se eles têm sentido oscilações de humor constantes em você. Se a resposta for positiva, está na hora de mudar de hábitos!

4. Lapsos de memória

Quando uma pessoa começa a perceber que a memória dela começa a falhar no dia a dia com coisas muito simples, como esquecer o que ia fazer na cozinha ou o que ia pegar no armário, na maioria das vezes pode ser um indício de um esgotamento mental e que não deve ser ignorado.

Isso porque o problema pode acarretar uma série de problemas e pode levar até à depressão, uma doença cada vez mais comum e de difícil resolução. 

Na dúvida, a velha máxima ainda pode ser bem eficaz: é melhor prevenir do que remediar. Se as empresas querem o melhor para os seus colaboradores, saúde é a base, para que o ambiente corporativo seja um lugar de criatividade e de relacionamentos harmoniosos. 

Fonte