BRASILEIRÃO

Sem transmissão: por que São Paulo x Athletico-PR virou ‘jogo fantasma’

Sem transmissão: por que São Paulo x Athletico-PR virou ‘jogo fantasma’
Time do Athletico Paranaense reunido em campo, mas escondido do torcedor Reprodução/Twitter Publicidade Publicidade A guerra travada entre a Globo e o Athletico Paranaense gerou um “apagão” dos jogos da equipe no Campeonato Brasileiro. O duelo contra o São Paulo, válido pela 11ª rodada da competição e adiantado para esta quarta-feira, 26, às 19h (horário de…
Time do Athletico Paranaense reunido em campo, mas escondido do torcedor Reprodução/Twitter

Publicidade

Publicidade

A guerra travada entre a Globo e o Athletico Paranaense gerou um “apagão” dos jogos da equipe no Campeonato Brasileiro. O duelo contra o São Paulo, válido pela 11ª rodada da competição e adiantado para esta quarta-feira, 26, às 19h (horário de Brasília), no Morumbi, por conta dos compromissos futuros das equipes na Libertadores, será a quarta partida do Furacão das seis que realizou até agora sem nenhuma transmissão televisiva.

Brigas judiciais pelos direitos de transmissão com o Athletico e com a Turner, que fez um acordo com oito times do Brasileirão pelas partidas em TV fechada, causaram o imbróglio. A Medida Provisória 984/2020, conhecida como a “MP do Mandante” – ainda em vigor após o presidente da Câmara dos Deputados Rodrigo Maia estender a validade da norma até 18 de outubro –, alterou a Lei Pelé e definiu que é necessário ter apenas os direitos de imagem do time que joga em casa para que uma partida possa ser exibida.

O entendimento da Globo é diferente. Ela avalia que os contratos assinados antes da assinatura da MP, feita pelo presidente Jair Bolsonaro, não deveriam ser afetados. A emissora carioca pensa que a Turner não poderia transmitir partidas das equipes que fecharam acordos de TV fechada com ela, mesmo que eles sejam visitantes. E move ações na Justiça para impedir que os jogos sejam exibidos pela TNT ou pelo Space, os canais por assinatura dos americanos no Brasil.

Com isso, os jogos envolvendo o Athletico estão fora do canal fechado do Grupo Globo, o SporTV. Porém, há mais problemas envolvendo os paranaenses. O Furacão é o único dos 20 clubes da Série A que não vendeu os direitos do PPV para a Globo e, por isso, suas partidas não podem ser transmitidas pelo serviço por assinatura Premiere. Como o Athletico negociou com a Turner, a única forma de ter seus torcedores assistirem aos compromissos pelo Campeonato Brasileiro seria pela exibição em rede nacional na TV aberta.

A solução para tirar o duelo desta quarta entre São Paulo e Athletico do “apagão” seria passar em rede nacional, já que ambos têm contrato com a Globo para esta plataforma. O problema são as ações que o clube paranaense move na Justiça para poder dar vida ao seu próprio serviço de pay-per-view, o “Furacão Play”. O Athletico chegou até a anunciar a novidade nas redes sociais para suas partidas como mandante, já que é adepto da nova MP, e teve que cancelar as transmissões até com a bola rolando – como aconteceu na partida contra o Palmeiras na quarta rodada.

A situação é o oposto do que acontecia no ano passado. Sem os direitos do Athletico na TV fechada, a Globo passou a dar espaço ao clube na TV aberta e nas transmissões online pelo site Globoesporte.com. Em 2019, o Furacão foi o time que mais apareceu em rede nacional, à frente inclusive de Flamengo e Corinthians, com 18 partidas. Cada time recebeu quase 1 milhão de reais por jogo na TV aberta na temporada passada. O Athletico, como o mais favorecido nas transmissões, amealhou mais de 17 milhões de reais. Com a proibição de público nas partidas por conta da pandemia e sem o dinheiro da emissora, o Furacão sofre. E o torcedor também.

UOL Esporte Clube | Assine e acompanhe transmissões de grandes jogos e programas esportivos de onde você estiver.

Continua após a publicidade

Fonte