BRASILEIRÃO

Vasco tenta quebrar tabu de mais de 4 anos contra o Fla, que quer grudar no líder – ISTOÉ Independente

Vasco tenta quebrar tabu de mais de 4 anos contra o Fla, que quer grudar no líder – ISTOÉ Independente
De um lado um time em queda livre no Brasileirão, sem técnico e há mais de quatro anos sem vencer o clássico diante do maior rival. Do outro, o atual campeão, embalado e com a meta de igualar a pontuação do líder Atlético-MG. Em situações distintas na tabela, mas com a mesma obrigação de vitória,…

De um lado um time em queda livre no Brasileirão, sem técnico e há mais de quatro anos sem vencer o clássico diante do maior rival. Do outro, o atual campeão, embalado e com a meta de igualar a pontuação do líder Atlético-MG. Em situações distintas na tabela, mas com a mesma obrigação de vitória, Vasco e Flamengo fazem neste sábado o 391° Clássico dos Milhões, às 17 horas, em São Januário.

Será um duelo da calmaria contra o desespero. E com os dois times depositando, mais uma vez, suas fichas em seus goleadores. O vascaíno sonhando com o despertar de Cano, há seis jogos sem marcar. Os flamenguistas profetizando Pedro anotando pelo sexto jogo seguido.

Desde que o argentino parou de marcar, o Vasco não conseguiu mais festejar uma vitória. Foram 16 gols no ano. A equipe estava no G4 e despencou para o 10° lugar. O técnico Ramon Menezes foi demitido na série de tropeços, o time perdeu o encanto após início promissor e agora será dirigido pelo interino Alexandre Grasseli.

Do lado flamenguista, o cenário é o oposto. São cinco jogos sem perder, com quatro vitórias. Todos com Pedro deixando sua marca ao menos uma vez. Apesar de ser um reserva de luxo de Gabriel Barbosa, o centroavante anotou seis gols seguidos e recolocou o atual campeão na briga pelo bicampeonato.

Sem ganhar do Flamengo desde um 2 a 0 em abril de 2016 no Estadual, o Vasco conta com os importantes retornos de Andrey e Benítez para municiarem Cano na busca pelo fim do jejum. São 15 jogos nesses 4 anos e cinco meses, com seis derrotas e nove empates.

Embalado por duas boas vitórias contra Athletico-PR (3 a 1) e Sport (3 a 0), ambas no Maracanã, o Flamengo tenta fazer a trinca para igualar os 27 pontos do líder Atlético-MG. Como os mineiros só jogam depois do clássico, a ordem e fazer pressão, mostrar que “entrou forte na briga”.

Além do faro artilheiro de Pedro, o técnico Domenèc Torrent pretende explorar o crescimento de rendimento de Bruno Henrique e um possível desespero rival. Sua equipe, mesmo fora de casa, vai atacar bastante.

O jogo promete muitos gols, como em 2019, no qual foram 13 bolas nas redes nos dois duelos do Brasileirão. Triunfo do Flamengo por 4 a 1 no primeiro turno e um elétrico 4 a 4 no segundo. Como ambos necessitam da vitória por motivos distintos, o clássico deve ser aberto e ofensivo.

Curiosamente, as equipes já estiveram com sentimentos opostos neste Brasileirão. Após o encerramento da quarta rodada, a crise batia à porta do Flamengo. Com início bem ruim, dormiu na zona de rebaixamento. Já o Vasco era só empolgação com a liderança da competição.

Veja também

+ Novo Código de Trânsito é aprovado; veja o que mudou

+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA

+Jovem é atropelado 2 vezes ao tentar separar briga de casal em Londrina; veja o vídeo

+ “Ninguém queria que ele fosse”, diz pai de empresário que morreu após saltar de rope jumping

+ Quadradinho de coco: Ana Maria Braga ensina o passo a passo, super fácil

+ Gêmeas siamesas nascem com duas pernas e quatro braços e desafiam médicos

+Vídeo mostra puma perseguindo um corredor em trilha nos EUA

+Cidadania divulga calendário de pagamentos da extensão do auxílio emergencial

+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea

Fonte