TORCIDA

Vitória se posiciona após confusão envolvendo o presidente Paulo Carneiro

O texto assinado pelo presidente do Leão, Paulo Carneiro, abre dizendo que faz oposição ao 'politicamente correto' e os supostos 'arautos da moralidade' | Foto: Divulgação | EC Vitória Após o posicionamento da assessoria do jogador Vinicius e o relato da súmula do juiz da partida, Paulo Roberto Alves, foi a vez do Vitória se…
O texto assinado pelo presidente do Leão, Paulo Carneiro, abre dizendo que faz oposição ao ‘politicamente correto’ e os supostos ‘arautos da moralidade’ | Foto: Divulgação | EC Vitória

Após o posicionamento da assessoria do jogador Vinicius e o relato da súmula do juiz da partida, Paulo Roberto Alves, foi a vez do Vitória se posicionar acerca do ocorrido no duelo diante do Ceará, na última quarta-feira, 26, no Barradão, válido pela terceira fase da Copa do Brasil. O posicionamento da instituição rubro-negra foi divulgado nesta sexta-feira, 28, no site oficial do clube.

Logo de cara, o texto assinado pelo presidente do Leão, Paulo Carneiro, abre dizendo que faz oposição ao ‘politicamente correto’ e os supostos ‘arautos da moralidade’. De acordo com o mandatário, apenas o clube e sua torcida conhecem a história e o que a agremiação tem passado nos últimos tempos.

“Precisávamos chamar a atenção da comunidade esportiva brasileira dos prejuízos que temos experimentado com as graves falhas de arbitragem dos jogos contra o Náutico, anulação de um gol absolutamente legal de Léo Ceará; O pênalti marcado irregularmente contra o CRB, com falta fora da área, e a ‘lambança’ feita pelo árbitro Paulo Roberto Alves Júnior no jogo contra o Ceará que decidia uma importante passagem de fase, com premiação milionária”, escreveu.

Durante a carta, PC também relatou outros problemas envolvendo o mesmo juiz que apitou a partida no meio de semana e também afirmou não compreender quais os critérios são utilizados pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF) para a escalação do quadro de arbitragens em partidas importantes.

Em trechos destacados de outras notícias, o árbitro Paulo Roberto Alves teria tido sua competência questionada por partidas onde supostamente prejudicou clubes como: Botafogo, Atlhetico Paranaense, São Paulo, Fortaleza e Paysandu. Todas as reclamações ocorreram entre o período de julho de 2018 e fevereiro de 2020.

“A partida de anteontem era de fundamental importância, não só para as pretensões desportivas, bem como para o reequilíbrio financeiro do clube, motivação dos atletas e dos funcionários […] Mexeram com nossa esperança, com nossos atletas, com a nossa razão. O ato da Presidência foi humano, dentro dos parâmetros que até a Lei Penal compreende (Violenta emoção)”, afirmou Carneiro.

Por fim, o presidente do Vitória relembrou outros atritos que envolveram o Leão e o meia Vinicius Góes nos últimos anos. Segundo ele, precisa ser estabelecido um respeito do atleta com a instituição baiana e que ele “vem sendo pivô de uma série de manifestações que passaram por declarações contra as torcedoras rubro-negras, provocações e gestos obscenos”.

“Portando, fica registrado aqui a nossa indignação pelo acontecido. Somos um Clube centenário, que sempre primou pela observância dos princípios éticos que norteiam a vida em sociedade, seja dentro ou fora de campo”, finalizou o mandatário.

Fonte